• Home »
  • Artigos »
  • As opções de Chassi Cabine crescem e já são oito modelos no mercado, de veículos de carga com até 3,5 t de PBT, para entregas urbanas

As opções de Chassi Cabine crescem e já são oito modelos no mercado, de veículos de carga com até 3,5 t de PBT, para entregas urbanas

O diferencial desses veículos é que, para efeito da legislação de trânsito, eles são considerados caminhonete ou comercial leve, não estão sujeitos às regras de circulação dos VUCs (Veículos Urbanos de Cargas), de restrições à circulação de caminhões, que variam de município para município e podem ser conduzidos por motorista com CNH categoria B.

O crescimento da vida urbana e do comércio on-line exigem rapidez e flexibilidade nas entregas. Os chassi cabines com PBT de até 3,5 t tem sido uma das opções preferidas das transportadoras por apresentarem algumas vantagens em relação aos caminhões semileves. Neste especial, vamos apre­sentar as principais caracte­rísticas de oito opções do mercado concorrentes do novo Daily City: Fiat Ducato Chassi, Foton Minitruck 3.5-14ST, Hyundai HR, Iveco Daily City, Kia Bongo K2500, Mercedes-Benz Sprinter 313 CDI Street, Renault Master Chassi e Volkswagen Delivery Express.

Todos os modelos têm PBT (Peso Bruto Total) de 3.395 kg até 3.500 kg. A capacidade de carga vai variar conforme o peso do veículo em ordem de marcha (como sai de fábrica e abastecido), o peso do implemento e peso dos ocupantes (motorista mais ajudante, se hou­ver). Todos eles podem ser conduzidos por motorista com CNH categoria B. A partir de 3.501 kg de PBT é obrigatório CNH C, D ou E.

Além da vantagem de CNH, o chassi cabine com até 3.500 kg de PBT é considerado caminhonete ou comercial leve. Portanto, não estão sujeitos às legislações de VUCs (Veículos Urbanos de Cargas) e de restrições à circulação de caminhões que variam de município para município.

Fiat Ducato Chassi

O modelo foi lançado no início do ano passado como opção para quem busca um utilitário bem equipado e para cargas leves mais volumosas. Graças ao entre-eixos de 4.035 mm, ele pode receber sobre o chassi baú de até 18 m3. Em segurança, ele é o segundo mais completo em tecnologias, como controle de estabilidade, tração e Hill Holder (assistente de partida em rampa). A versão básica parte de R$ 113.500 e completa sobe para R$ 122.740, incluindo ar-con­di­cionado, retrovisores exter­nos com comando elétrico, alarme, faróis de neblina e banco do motorista com seis regulagens.

A capacidade de carga em peso de 1.590 kg do Ducato está dentro da média os concorrentes. Em capacidade volumétrica, ele também é competitivo com os chassis de 3.500 kg de PBT que pode receber baú maior. A Truckvan, indústria especializada, informa qual o baú mais indicado para o modelo. Vale ressaltar que o baú pode ser customizado conforme o tipo de carga, o que pode variar em peso e dimensões. No caso do Ducato, o mais comum é com 3.900 mm de cumprimento, 2.200 mm de largura e 2.200 mm de altura e pesa cerca de 660 kg, portanto, sobram 990 kg para carga líquida antes de descontar o peso do motorista e ajudante, se houver.

Em potência e torque, o Fiat Ducato está na média do seg­mento. O motor turbo diesel de 2.3 litros tem 130 cv e 32,6 mkgf. Uma vantagem desse motor é o fato dele ser fabricado pela FPT e compartilhar grande parte dos componentes com o motor do modelo Iveco Daily City, fato que facilita e reduz custo na hora da manutenção. O câmbio do Ducato é de 6 marchas e a tração dianteira.

Foton Minitruck 3.5-14ST

Inicialmente importado da China, o modelo é montado dentro da fábrica da Agrale, em Caxias do Sul (RS), com o uso de diversos componentes de fornecedores nacionais, principalmente do trem de força.

Por possuir chassi tipo escada, mais robusto, o peso em ordem de marcha é de 2.000 kg, ficando a sua capacidade em 1.500 kg. A robustez dele permite um PBT técnico de 4.200 kg e uma capacidade de carga de 2.200 kg. Ou seja, aguenta um sobrepeso, mas está homologado para 3.500 kg de PBT para permitir a condução por motoristas com CNH B.

O entre-eixos dele é de 3.360 mm, permitindo o encarroçamento de baú de grande capacidade. Segundo a Facchini, outra indústria especializada em implementos rodoviários, o baú indicado para este Foton tem 4.500 mm de comprimento, 2.200 mm de largura e 2.260 mm de altura. A capacidade volumétrica é de 22,4 m3.

O motor é consagrado no mercado brasileiro e utilizado também outros fabricantes. Trata-se do Cummins ISF 2.8 de 131 cv de potência e 28,5 mkgf de torque. O câmbio é de 5 marchas e a tração é traseira. O preço parte de R$ 113.350.

Hyundai HR e Kia Bongo

Se a ideia é fazer um baixo investimento em um veículo mais simples, mas com razoável capacidade de carga, o Hyundai HR e o Kia Bongo K2500 aparecem como os chassis cabines mais baratos do mercado nesta categoria. O modelo da Kia tem sido comercializado por R$ 85.328, e o da Hyundai, por R$ 83.000.

Considerando a plataforma de carga dele e o entre-eixos de 2.415 mm (Bongo) e 2.430 mm (HR), a Truckvan informa que o baú pode ter 3.000 mm de comprimento, 1.800 mm de largura e 2.000 mm de altura. A capacidade volumétrica para carga fica pouco mais de 10 m3.

O trem de força dos dois modelos é basicamente o mesmo, já que eles são fabricados pelo mesmo grupo, dono de ambas as marcas na Coreia do Sul.

O HR é montado em Anápolis (GO) com peças importadas e outras de fornecedores locais. O mesmo ocorre com o Bongo, com sua montagem em Montevidéu, no Uruguai.
O motor é um 2.5 turbo diesel com 130 cv e 26 mkgf de torque. A transmissão é de 6 velocidades e tração é dianteira.

Iveco Daily City

Lançado em maio do ano passado, o novo Daily City 30S13 é resultado de um no redicionamento de versões maiores para ser mais competitiva no segmento de 3.500 kg de PBT.

A Iveco já possui o Daily 35S14, porém, um veículo mais robusto, por isso mais pesado e mais caro. O City tem capacidade de carga útil de 1.800 kg, sem o implemento, ou 1.137 kg de carga útil caso seja equipado um baú de 663 kg. Quando mais leve for o baú, maior a carga líquida. Mas o baú de 663 kg, com 3.900 mm de comprimento, 2.200 mm de largura e 2.200 mm de altura é o padrão para o Daily.

O motor é o FPT F1A de 2,3 litros, 130 cv de potência e 32,6 mkgf de torque e com tecnologia EGR de pós-tratamento dos gases, que dispensa a utilização do Arla 32. O preço, segundo a Fipe, é de R$ 117.801.

MB Sprinter 313 Street

Está entre as opções mais sofisticadas do segmento e com preço a partir de R$ 124.410, no entanto, com a tecnologia de segurança e conforto que não deixam dúvidas sobre a modernidade e superioridade do projeto. Além de controle de tração e estabilidade, o modelo conta com assistente de vento lateral, luzes diurnas e faróis de neblina com assistente direcional (em curvas, por exemplo, quando o motorista começa a virar o volante, o farol gira para a direção que seguirá).

São duas opções de entre-eixos (3.665 mm e 4.325 mm), o que aumenta bastante as possibilidades de colocar diferentes tipos e tamanhos de implementos. A capacidade de carga útil está dentro da média do segmento. Somente para exemplificar, a Truckvan indicou baú com 4.000 mm de comprimento, 2.200 mm de largura e 2.200 mm. O peso do baú nessas medidas é de 663 kg e capacidade de carga é de cerca de 19 m3.

O motor do Sprinter é fabricado pela própria Mercedes-Benz. Trata-se do OM 651 diesel biturbo de 2,2 litros, 129 cv de potência e 31,1 mkgf de torque. O câmbio é ZF 6S 450 de 6 marchas e a tração é traseira. A alta capacidade do Sprinter (5.500 kg), o torna indicado para operações nas quais o veículo puxa um reboque.

Renault Master Chassi

Entre as opções mais simples, o Renault Master tem o segundo preço mais alto. Parte de R$ 133.570 na versão básica. Com o pacote Pack Luxo (+R$ 7.700) conta com ar-condicionado, faróis de neblina, computador de bordo e rádio MP3.

Ele tem capacidade de carga útil de 1.760 kg. A Renault indica baú de 18 m3, mas isso pode variar conforme o tipo de carga. A Truckvan indica baú de 3.500 mm de comprimento, 2.200 mm de largura e 2.200 mm de altura por R$ 11.200. Este baú possui quase 17 m3 de capacidade de carga e pesa 602 kg.

O motor turbo diesel é de 2,5 litros com 130 cv e elogiáveis 35,6 mkgf de torque, o segundo maior da categoria. Só perde para o novo VW Delivery Express (36,7 mkgf). A transmissão é de 6 velocidades e a tração dianteira.

VW Delivery Express

O modelo foi lançado para ser o caminhão urbano de entrada da Volkswagen e, de chegada, tornou se um campeão de vendas nesta categoria. Ele tem uma das cabines mais modernas e confortáveis do mercado. Ele, além de ter todas as qualidades de uma caminhonete (CNH B, sem restrição de circulação, facilidade de condução) sem abrir mão das virtudes de um caminhão, como robustez, maior torque e potência entre os concorrentes herdados da família Delivery.

A capacidade de carga é de 1.475 kg na versão com entre-eixos de 3.000 mm, e de em 1.453 kg com entre-eixos 3.600 mm. A VW trabalha com a política de vender o caminhão já com o baú em parceria com a Randon. No caso da versão com o entre-eixos maior, o baú pode ter 4.366 mm de comprimento, 2.197 mm de largura e 2.224 mm de altura (cerca de 21 m3). A alta capacidade de tração do Express (5.000 kg) o torna indicado também para operações nas quais o veículo terá que puxar um reboque. Fica a dica, maior capacidade para carga volumétrica, mas robusto para cargas mais pesadas.

O motor dele é o mais potente da categoria. Trata-se do Cummins ISF 2.8 de 150 cv de potência e 36,7 mkgf de torque. O câmbio é Eaton de 6 marchas e a tração dianteira.

Conclusão

Faça a escolha do modelo considerando o tipo de carga. Quanto mais peso por m3, mais robusto deve ser o chassi se a ideia é rodar a maior parte do tempo na capacidade máxima de carga. Se, além disso, a cidade for de muitos aclives, como Belo Horizonte (MG), por exemplo, considere também modelos com motor com maior torque e tração traseira se tabmém a região for de pavimento de baixa qualidade. Para cargas volumosas, a recomendação é que a opção seja por chassis que aceitam a implementação de baús maiores.

 Fonte: Com informações da Transpodata – SP