• Home »
  • ANTT »
  • Motoristas de topique bloqueiam rodovia na divisa do PE com CE em protesto contra proibição da ANTT

Motoristas de topique bloqueiam rodovia na divisa do PE com CE em protesto contra proibição da ANTT

A Agência não permite o transporte interestadual remunerado feito com vans; motoristas se manifestam pelo segundo dia na rodovia

Pelo segundo dia, motoristas de topique que fazem transporte de passageiros na divisa do Pernambuco com Ceará bloquearam a rodovia PE-585, em protesto contra fiscalização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) que proíbe o serviço de transporte interestadual remunerado feito com vans.  

Os topiqueiros fecharam a via queimando pneus e só liberaram a passagem para ambulância e outros veículos transportando pacientes. Ônibus de empresas em geral estão sendo impedidos de passar pela rodovia. 

“Eles podem fazer turismo, que não é o caso que eles tão fazendo aqui. Tão fazendo linha, que não é autorizada pela ANTT, tem que ser ônibus autorizado ou licitado pela ANTT pra fazer esse trajeto”, diz o Agente de Fiscalização do órgão, Márcio Carvalho. 

Ele afirma, ainda, que a Agência foi oficiada pelo Ministério Público do Ceará (MPCE) para intensificar as fiscalizações desse tipo de transporte. “Devido a quantidade baixa de fiscais, demoramos a fazer rotina aqui. Inclusive, dos veículos apreendidos ontem, dois já são reincidentes nesse tipo de transporte”, completa. 

Comércio e universidades afetados

O motorista José Ildo Saraiva lamenta a medida. “Pra gente tá sendo muito difícil. Tá sendo prejudicada a classe que necessita de transporte, vários pais de família e as empresas também. É uma situação que só perde. A gente queria que tivesse um bom senso de lá”, comenta. 

Já o topiqueiro Edson Leite chama atenção para o prejuízo no comércio e nas universidades do Cariri, já que muitas pessoas fazem o percurso diariamente para trabalhar e estudar. “A gente leva muita gente por mercado de Juazeiro, pro comércio e pras faculdades”, frisa. 

Francisco Bezerra de Souza espera uma alternativa para que ele e outros motoristas possam ficar regularizados e continuar realizando o serviço.  

“Ninguém tá querendo trabalhar irregular. A gente quer trabalhar regularizado, com direito da gente ir e vir, livre, e atender nosso usuário. O usuário em geral tá sofrendo. Vai ter aumento de custo de passagem, nos locais onde têm as empresas que operam o transporte o pessoal sofre, não tem concorrência e é cobrado o preço que eles querem”, comenta o motorista. 

A ANTT reforça que a fiscalização será contínua, e recomenda que os profissionais procurem se regularizar. 

“Nesse tipo de transporte, o mais preocupante é a falta de segurança dos passageiros. A gente pegou veículo com pneu careca, extintor vencido, motorista sem curso, porque o motorista é obrigado a ter curso pra transporte coletivo de passageiro, além da falta de autorização”, acrescenta o agente de fiscalização da ANTT, Márcio Carvalho.