Categorias
Concessões Notícias Pedágios

Concessão de rodovias gera divergências em SC

Diário Catarinense

Divergências entre lideranças catarinenses em relação ao projeto de concessão das rodovias BRs 480, 282, 153 e 476 ficaram evidentes no Fórum Sobre Rodovias no Oeste Catarinense, realizado nesta segunda-feira, no Centro Empresarial de Chapecó.  O projeto, conhecido como ¿Rodovia do Frango¿, deve duplicar a BR 282 de Chapecó até o trevo do Irani, subindo pela BR 13 até a 476, no Paraná.

A proposta foi aprovada em fevereiro pelo Tribunal de Contas da União mas contou com 44 adequações que a Agência Nacional de Transportes Terrestres terá que fazer em 120 dias.Depois disso poderá ser lançado o edital de concessão, que será válido por 30 anos.

O deputado federal e integrante da Frente Parlamentar de Transportes da Câmara Federal, Esperidião Amin (PP), disse que desde o início foi contra o projeto pois ele contraria os interesses de Santa Catarina, prejudicando os portos do Estado em favor de Paranaguá-PR. Ele classificou o projeto como um ¿Cavalo de Tróia¿, que parece bom no início mas depois revela-se prejudicial.

O presidente da Federação das Empresas de Transporte de Cargas e Logística de Santa Catarina, Pedro Lopes, disse que o estudo foi realizado por uma empresa paranaense e que o projeto encaminha o fluxo catarinense que terá que pagar pedágios em três praças no Paraná, em General Carneiro, Paulo Frontin e Lapa. O custo para um caminhão de seis eixos saindo de Chapecó até Lapa ficaria em R$ 360. Lopes disse que há necessidade de uma auditoria de tráfego e um cronograma de obras para garantir que a população não pague um valor de pedágio sem o benefício da duplicação. Em Xanxerê os valores poderiam ultrapassar R$ 14.

 Oeste quer duplicação 

Lideranças do Oeste Catarinense são favoráveis à integração catarinense mas querem também a duplicação para o Paraná. O presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sicom), Marcos Barbieri, disse que 80% da produção da região vai para o centro do país e, com a duplicação, uma viagem até Curitiba diminuiria de sete para cinco horas.

O empresário do ramo de transporte Valdir Tombini disse que a região precisa de estradas duplicadas urgentemente. Por isso não quer que o atual processo seja interrompido. No entanto todos concordam em brigar por redução de preços e que a duplicação comece pela BR 282.

Paralelo a isso concordam em agilizar a duplicação da BR 470 e da BR 282, entre Irani e Campos Novos, cujo edital está previsto para maio.

 Nova proposta para a BR 282 

A deputada estadual Luciane Carminatti e o deputado federal Esperidião Amin informaram que e o Ministério dos Transportes deve abrir nos próximos dez dias uma proposta de manifestação de interesse, para concessão de toda a BR 282 e da BR 163, entre São Miguel do Oeste e Dionísio Cerqueira. Esse processo poderia correr paralelamente aos demais.