• Home »
  • Infraestrutura »
  • “Dentro de segundos, já estava no barranco”, diz motorista de um dos caminhões tombados pelo vento no RS

“Dentro de segundos, já estava no barranco”, diz motorista de um dos caminhões tombados pelo vento no RS

Gaucha ZH – O caminhoneiro autônomo Lorivan Sabedot, 41 anos, trafegava pela RS-463, no trecho de Coxilha, em direção ao município de Camargo, quando teve sua viagem interrompida por uma forte rajada de vento na madrugada desta terça-feira (12). O caminhão guiado por ele, um Ford Cargo 2429 ano 2013, é um dos três que tombaram na rodovia com a força do que os especialistas acreditam ter sido um dos tornados que passaram pelo norte do Rio Grande do Sul nas últimas horas. O evento, segundo o motorista, aconteceu por volta da 1h.

— Tinha pouco vento até então. A partir dali foi só uma rajada que deu. Ele (veículo) já ergueu o lado direito e não teve o que fazer. Dentro de segundos, já estava no barranco — relembrou.

O motorista disse que não sofreu lesão no acidente. Um outro homem que estava com ele na cabine sofreu ferimentos leves após pancada na cabeça. O ferido foi encaminhado ao hospital, medicado e liberado, segundo o caminhoneiro. Sabedot afirmou que estava treinando o rapaz, que começaria a trabalhar como seu motorista a partir de segunda-feira (18).

O condutor disse que trabalha há cinco anos como caminhoneiro e nunca tinha passado por uma situação como a registrada na madrugada de terça-feira. No momento em que sentiu o movimento em seu veículo, Sabedot disse que só deu uma “cutucadinha” no freio.

— Foi muito rápido. Nem dá tempo de pensar. Quando vê, já está no barranco. O meu escorou no barranco. (O estrago) não foi tanto.

O caminhoneiro estava com o veículo vazio, em deslocamento para retirar carga em uma granja no município de Camargo e depois transporta-la até Tapejara. A intenção dele e dos outros transportadores seria de chegar ao local na madrugada, descansar um pouco e sair em viagem logo em seguida.

Um dos veículos tombados pela força do vento chegou a ser arrastado cerca de 40 metros para dentro de uma lavoura. Segundo o prefeito de Coxilha, Ildo Orth (PP), o local onde ocorreu o incidente parecia um “cenário de guerra”.