• Home »
  • Notícias »
  • Quadrilha mantém caminhoneiros como reféns e roubam carga de 26 toneladas de farinha de trigo em Rondonópolis

Quadrilha mantém caminhoneiros como reféns e roubam carga de 26 toneladas de farinha de trigo em Rondonópolis

Agora MT

Dois caminhoneiros foram vítimas de um roubo seguido de sequestro na madrugada do último sábado (14), depois de terem sido abordados por um homem armado no estacionamento de um supermercado no Centro de Rondonópolis.

De acordo com os dados do Boletim de Ocorrência, as vítimas saíram de Brasília-DF na quarta-feira (11), transportando um caminhão com carga de 26 toneladas de farinha de trigo, onde o destino final da encomenda seria um supermercado em Rondonópolis.

As vítimas uma de 26 e outra de 50 anos, contaram que chegaram em Rondonópolis e foram até a empresa do ramo de alimentos, local onde realização o procedimento de troca da nota fiscal para ser entregue ao cliente final.

Por volta das 21h30, chegaram no cliente final e um funcionário pediu para aguardarem que o procedimento de descarga do produto, as vítimas relataram que por volta das 00h30 um homem chegou armado e após render os dois caminhoneiros, obrigo que dirigissem até um lugar onde demais integrantes da quadrilhas os esperavam.

As vítimas tiveram seu rostos cobertos e foram colocados dentro do porta-malas de um carro modelo Vectra de cor supostamente azul e levados até um cativeiro, onde permaneceram das 1h30 até as 5h30 da manhã, enquanto a quadrilha fazia a descarga das 26 toneladas de dos produtos.

No cativeiro, os dois caminhoneiros ficaram o tempo todo com o rosto coberto e um dos integrantes da quadrilha pediu o valor de R$ 50,00 (Cinqüenta Reais) para abastecer o carro.

A polícia, as vítimas disseram que a quadrilha levou o caminhão com carga, deixando seus pertences pessoais como: carteira, celular, correntes e outros bens para trás; eles não sabem dizer quantos integrantes faziam parte da quadrilha, pois estavam o tempo todo com o rosto coberto, só sabem dizer que os dois homens que estavam com eles, usavam boné e óculos escuros para não serem reconhecidos.