• Home »
  • Concessões »
  • Transolímpica terá um dos pedágios mais caros do país, com cerca de R$ 0,25 por quilômetro

Transolímpica terá um dos pedágios mais caros do país, com cerca de R$ 0,25 por quilômetro

O pedágio da Transolímpica será um dos mais caros do país. Até a noite de ontem, a Prefeitura do Rio não havia divulgado oficialmente a tarifa a ser praticada nos dois sentidos da via expressa, que abrirá amanhã para os motoristas. O valor deve variar entre R$ 5,90 — montante que o município vinha anunciando — e R$ 6,50, preço que a concessionária Via Rio tenta negociar. De um modo ou de outro, estará num patamar bem superior ao que é cobrado no resto do Brasil.

De acordo com um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a média das tarifas cobradas atualmente nas praças de pedágio do país é de R$ 0,10 por quilômetro. Caso o pedágio da Transolímpica seja fixado em R$ 6,50, os motoristas terão que desembolsar R$ 0,25 por quilômetro rodado.

Terminal do BRT Transolimpico ao lado do shopping center Barra World

Terminal do BRT Transolimpico ao lado do shopping center Barra World Foto: Leo Martins

— Será uma das tarifas mais altas que tem no Brasil. É compatível com as de São Paulo, que também são bastante elevadas — avaliou o economista Carlos Alvares da Silva Campos Neto, autor da pesquisa.

A média de R$ 0,25 supera em quatro vezes a da tarifa cobrada nos pedágios licitados pelo governo federal: R$ 0,06 por quilômetro. Na opinião do especialista, a diferença dos valores se deve à modalidade de licitação escolhida.

— Enquanto o governo federal escolhe a empresa que apresenta a menor tarifa, no Rio vence quem paga o maior valor de outorga, ou seja, o cobrado pelo poder público pela utilização da via. É a modalidade que mais onera o usuário, já que o custo é repassado.

No Estado do Rio, o pedágio da Transolímpica só não será mais alto do que o que é praticado na Linha Amarela.

A concessionária Via Rio informou que o valor do pedágio é decidido pelo poder concedente. A Prefeitura do Rio não quis se manifestar.